Para além da criminologia. Um debate epistemológico sobre o dano social, os crimes internacionais e os delitos dos mercados

O presente texto é o resultado do estudo preliminar à tradução ao castelhano da obra de Wayne Morrison "Criminología, Civilización y Nuevo Orden Mundial". O artigo pretende realizar uma revisão dos fundamentos epistemológicos da criminologia contemporânea, indagando acerca das razões que a...

Full description

Saved in:  
Bibliographic Details
Authors: Bernal Sarmiento, Camilo Ernesto (Author) ; Vidal Tamayo, Iván (Author) ; Rivera Beiras, Iñaki (Author) ; Forero Cuéllar, Alejandro (Author) ; Cabezas Chamorro, Sebastian (Author)
Format: Electronic Book
Language:Portuguese
Published: 2020
In:Year: 2020
Online Access: Volltext (kostenfrei)
Check availability: HBZ Gateway
Description
Summary:O presente texto é o resultado do estudo preliminar à tradução ao castelhano da obra de Wayne Morrison "Criminología, Civilización y Nuevo Orden Mundial". O artigo pretende realizar uma revisão dos fundamentos epistemológicos da criminologia contemporânea, indagando acerca das razões que a levaram a edificar-se como um saber seletivo e discriminador na modernidade e questionando por que a criminologia esqueceu, negou, evitou a investigação de vários eventos de atrocidades massivas que foram cometidos durante o século XX, em verdadeiro "apartheid" criminológico. A história recente da criminologia mostra que, apesar de haver vivido as atrocidades massivas que as ditaduras e os conflitos armados produziram durante décadas, esta disciplina não pôde, por distintas razões, desenvolver um conjunto de ferramentas analíticas que pudessem explicá-las e que contribuíssem a preveni-las, limitando seu papel à denúncia moral das ordens repressivas e da barbárie das guerras civis internas. Para reflexionar sobre essa constatação, o presente trabalho percorrerá a história e as tendências contemporâneas dos estudos criminológicos sobre crimes de Estado, genocídio, zemiologia (o estudo do dano social) e crimes dos mercados e proporá, ao final, a ruptura dos limites epistemológicos atuais para a continuação do debate acadêmico e a promoção da ação política